Arquivo do mês: janeiro 2011

Ellus Inverno 2011: Negócio, desfile 3D, sapatos, botas e bolsas!

Ellus jeans luz negra

A Ellus faz a diferença quando monta todo um cenário propício a apreciação nesta edição do seu desfile Inverno 2011 da griffe mãe do conglomerado In Brands. Assim inicia uma nova história no sistema da moda com seu desfile-filme 3D. No filme, dirigido por Jacques Dequeker e Marcos Mello, os tops Aline Weber e Rafael Lazzini interpretavam nômades espaciais numa aventura intergaláctica.

Ellus branco e peles

A cartela de cores reduzida a preto, marinho, creme e branco revela novas formas às roupas com tecidos tecnológicos. O couro, uma aposta da temporada, foi aplicado em detalhes e nos acessórios. Os paetês marmorizados e metalizados criavam um novo visual, enquanto o jacquard de algodão resinado, uma nova textura. As mulheres nos looks desfilados por Aline Weber , a futurista-urbana-rocker tem vestidos, corseletes e calças com plissados e costuras com correntes e couros, que desenham detalhes e desmontam a silhueta e claro o  jeanswear – blue ou de lavagem claríssima – tem aplicação de tinta metálica e brilham na luz negra.

Ellus bota longa e bolsa estruturada off white

Um pouco disso tudo que falei já sabiamos que ia acontecer.

Ellus - Croqui Sapato

Aqui, diretamente de Campo Bom, uma cidade de 60 mil habitantes, fazíamos há 90 dias  a coleção de sapatos, ankle boots, cruissardes, clutches mega franjas e super bolsas estruturadas para o desfile da Ellus Inverno 2011.

Tudo a principio foi feito para  ser desfilado num mega desfile. Mas  como toda grande idéia de empreendedorismo nasce no ir fazendo, a   alguns dias antes do grande show muitas coisas mudaram e estavamos diante da nova possibilidade, ver sapatos, botas, bolsas saltarem aos olhos em versão cinematografica 3D. Porque se  desfile é feito para sentir, filme 3D é feito para estar mais perto do astro, da roupa, do acessório e quem sabe ser  o astro, tocar o calçado, tocar o jeans que acende….

Ellus sapato-tenis salto cromado pino largo

Os calçados da Ellus sempre nascem de uma paixão por sapatos que Rodolfo Murilo tem de sobra. O objetivo dessa vez era alcançar  um tênis de salto, pesado, tecnológico e sofisticado.

Para isso desenvolvemos uma forma com bico redondo curto e uma meia pata interna de 15 milimetros. O solado ganha palmilha rigida e anatômica de 10 milimetros que comporta a vira de 7 milimetros em seu em torno. Essa palmilha abriga o parafuso de sustentação do salto de 14 centimetros cromado com o mesmo banho da biqueira em onix.

Ellus- Aline Weber futurista com botas longas

O cabedal ganha três versões: tênis curto com velcro e atacadores de couro, tudo se repete na ankle bootie que segue a linha dos canos retos geométricos e futuristas assim como as cruissardes que são largas na perna ajustadas com elásticos internos. Os couros que trabalhamos eram softs e firmes por isso a opção da camurça de cabra com estampa lezard que dará o efeito brilho futurista elegante.

Ellus - Clutch mega franja e a nova reconstrução da skinny

As bolsas seguem a linha estruturada com armações largas que podem ter três divisões ou duas,  em couros rigidos e macios. A bolsa com mega franjas carrega o conceito de movimento da coleção de acessórios para o desfile .

Tudo feito para garantir o grande negócio que é uma das marcas do grupo In Brands onde 50% da operação tem em seu poder Nelson Alvarenga, que tem como objetivo a gestão das marcas num grande negócio da empresa. A In Brands tem em seu hall as seguintes marcas: Ellus, 2nd Floor, Isabela Capeto, Alexandre Herchcovitch,  Luminosidade,  que organiza o SPFW, o Fashion Rio e o Rio Summer, e recentemente adquiriu as marcas Richards e Salinas.

A nova aquisição trouxe um  faturamento para o  grupo InBrands de R$ 300 milhões anuais para R$ 500 milhões anuais, esses dados são estimativas e as mesmas dão chances de que assim o grupo incremente uma nova receita com grandes possibilidades de  posicionamento  do grupo no mercado externo.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em bolsas, calçados, inverno 2011, SPFW inverno 2011

Inverno 2011 – SPFW Resumo (02)

A série de desfiles na SPFW se faz necessária a cada temporada devido o sistema de moda implantado no Brasil por um calendário e  graças (Graça Borges) e perseverança do seu mentor Paulo Borges. Se alguém em sã consciência não consegue enxergar basta ver e rever os desfiles do sábado e domingo passado onde se teve toda a engrenagem da moda atuando: Desfiles conceituais, desfiles comerciais, desfiles 3D, apresentação de previews off SPFW, celebridades nacionais, internacionais e quisá siderais!!!!

Tudo, absolutamente tudo é feito para seduzir, encantar  e manifestar o desejo de conquista por algo que se é desfilado, apresentado, sugerido na SPFW, por isso, a imprensa e seu séquito de assessores é tão idolatrado nesses dias, o que muitas vezes causa estranhamento quando as celebridades de outras áreas ocupam esse momento mágico e lúdico de seis dias.

Reinaldo Lourença Anos 30 Estampa Beijos

Reinaldo Lourença Supremacia das Pérolas

Reinaldo Lourenço se inspira na alta-costura e nas festas dos  anos 1930. A sofisticação sempre vem com dose de ousadia e dessa vez foi o smoking o seu estudo de construções e desconstruções blazers, casacos, vestidos e camisas, a cartela segue os critérios de austeridade e elgância em tons como: branco, preto e branco com preto, dando o tom de deboche inteligente e sofisticado com a  estampa de boquinhas vermelhas. Para arrebatar de vez suas clientes e seu séquito de formadores de opinião obstinados na pureza do fazer ótimas roupas, looks inteiros e ou em detalhes bordados de pérolas que ao que sabemos levou mais de 5 000 horas de suas habilidosas funcionários, portanto apreciem Reinaldo Lourenço!

Ghetz Tricô Minimalista

Ghetz Estampa Pinceladas

Ghest marca do interior paulista vem contudo na sua primeira aparição na SPFW com o estilista Lucas Nascimento assinando sua coleção, diretor criativo que só põe sua criação em algo que valha a pena Giovanni Bianco, desfile com stylist de Daniel Ueda. A coleção traz um tricô super sofisticado numa interessante combinação de texturas, plissados e jacquards com fios sintéticos e naturais. A estampa parece pinceladas na horizontal, em diferentes tons, combinadas a um brilho delicado, talvez lurex, sobre o tom preto. A cartela de cores prima por amarelo, royal, vermelho e preto.

Neon sempre com sua interpretação lúdica e a Amapô descontrõe para construir o vestir e o pensar como vestir.

Neon e sua manga morcego Wayfarer

Amapô

Deixe um comentário

Arquivado em bolsas, calçados, inverno 2011, SPFW inverno 2011

Inverno 2011 – Resumo SPFW (01)

Depois de três dias de SPFW totalizando quinze desfiles já se tem uma grande idéia do que será o Inverno 2011 no Brasil e nossa contribuição brasileira a moda mundial.

A SPFW esta fazendo quinze anos numa edição histórica onde o prédio da Bienal virou uma passarela imensa com interferências botânicas, espelhos d´água  e arte simbiose. O ambiente integra interferências visuais como a árvore, a passarela gigante de madeira, com espelhos d´água, arte simbiótica, passantes, trabalhadores, modelos, estilistas, lojistas, consumidoras e consumidores.

Nestes seis dias de desfiles, pisam nas passarelas mais de 350 modelos e passam pelos corredores do pavilhão mais de 100 mil pessoas, o que leva a crer que já passaram nesses quinze anos aproximadamente 2 000 000 de pessoas. Depois dos números um pouco da árdua história da SPFW que só começou a ser chamada assim em 2001. Antes disso, recebeu o nome de Phytoervas Fashion – uma parceria de Paulo Borges e Cristiana Arcangeli, em 1994. Já em 1996, Borges desligou-se da Phytoervas e criou o Morumbi Fashion, nome que perdurou até 2000. Hoje o evento movimenta mais de R$ 1,5 bilhão em negócios na cidade paulistana, de acordo com a organização.

Acredito que São Paulo tem esse poder magistral de dar a credibilidade onipresente de seriedade aos negócios de moda com sua gigantesca vitrine de desfiles, festas, brunchs, lançamentos de livros e etc que acontecem durante a semana de moda e por isso os desfiles têm peso e são verdadeiros shows mesmos, independente do tamanho e mais importante ainda se é bonito ou feio, a grandiosidade deste evento que é feito com muita dedicação, profissionalismo e amor em 30 edições sagra essa magnitude em todos os eventos que acontecem em seu em torno.

Então vamos lá, nesses três primeiros dias a grande similaridade nas coleções desfiladas é a busca eterna por novas texturas e principalmente a mistura dos pesos lã com seda, couro com tweeds e assim sucessivamente. O SPFW abre com Animale griffe de origem carioca num desfile onde a alfaiataria é impecável planejada por Priscila Darolt.  A marca hoje é sinônimo de elegância pelo Brasil e é também uma das mais comerciais do mercado no momento e segue fazendo sua história no correto para ser consumido. A cartela vai do branco total (inclusive nos sapatos de saltos finos) ao preto passando por beges, ferrugens e petróleo. O life style carioca faz jus a supremacia de um minimalismo que conjuga elegância, com despojamento criando um mínimo próprio e autoral. A pegada vintage vem na silhueta reconstruída, no make com olhos de gatinha e no cabelo para trás a La Grace Kelly, observe Raquel Zimmerman.

Animale

Animale

 

Tufi Duek dá continuidade ao minimalismo pelos olhos e mãos do seu estilista Eduardo Pontual que busca inspiração no design e na arquitetura escandinava. A monocromia dos looks em tons claros branco, off-white, crus e preto refletiam a sofisticação do que transformou as roupas em esculturas e a junção do orgânico aparece na construção em madeira dos sapatos de salto alto.

Tufi Duek

TF Sandálias Madeira

Samuel Cirnansck tem um olhar voltado ao naturalismo com feminilidade e mescla este conceito ao trabalho do pintor Mark Ryden e do escultor Patrick Dougherty. A mistura das texturas é preponderante e elege um significado autoral na série de vestidos pretos, em faixas, nervuras e pregas de tecidos nobres combinados a látex, silicone, peles, sedas e rendas no melhor estilo fetichista.

Samuel Cirnansck

Samuel Cirnansck

A Triton com sua formula atitude jovem coloca Paris Hilton e todo o casting diante de uma coleção marcada por um trabalho pesado em alfaiataria para casacos, muito preto e,como contraponto fortes pinceladas e misturas das cores vivas como o verde neon, azul turquesa, vermelho e pink. Essa atmosfera ganha leveza e sofisticação com as estampas exclusivas criadas pela estilista Karen Fuke.

Triton Paris Hilton

Triton

Deixe um comentário

Arquivado em inverno 2011, SPFW inverno 2011, vestuário

Qualidade e ética

Os dois valores mais importantes que os consumidores  procuraram quando decidem  comprar  uma marca são  qualidade e comportamento ético.

As marcas de luxo, por exemplo, favorecem aos compradores a encontrar a qualidade de produtos e serviços importantes, como os comerciantes que colocam suas estratégias de vendas em um centro comercial e mantém seu foco no bem estar de seus clientes, para assim oferecer um trabalho  melhor. No entanto, o nível de importância dada ao comportamento ético, honesto e legal em marcas  pode ser surpreendente para alguns
espectadores.

Os consumidores querem fazer negócios com empresas que são pessoas de bom negócio e tratam seus funcionários e clientes de forma justa. A forma como uma marca trata seus clientes é muito importante , pois é a partir disto que os clientes começam a surgir.  As empresas devem  construir uma relação de confiança com os consumidores, afinal, não há nada como a lealdade de um cliente para uma marca, e melhor ainda se isso passa a acontecer com vários clientes.

Observe bem o seu negócio, analise se está conseguindo atingir estes pontos, pois assim com toda certeza o mundo dos lojistas irá se tornar algo muito melhor e cada vez com mais clientes satisfeitos.

Loja da Lanvin-Madison Avenue

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Campanhas Verão 2011

Chegou ontem aqui na redação da PensoModa a edição de fevereiro da Vogue America, com as campanhas de Verão das principais marcas internacionais. Apesar de a maioria delas já estarem circulando há algumas semanas nos blogs especializados, foi somente agora que foram de fato publicadas nas revistas.

Vamos dar uma olhada em algumas delas e refletir um pouco sobre o que cada grife busca comunicar com sua publicidade. Antes de pretender uma análise semiótica, queremos fazer nada mais do que uma breve reflexão, abrindo espaço para discussões e o “pensar moda”.

 

É impressionante a capacidade que a Dolce & Gabbana tem de conseguir sexualizar qualquer cenário. A campanha de Verão foca nos vestidos brancos de renda que reinaram na passarela, tendo mulheres lavadeiras como protagonistas. A iluminação dramática da foto torna a imagem bastante épica, imprimindo uma certa nuance bíblica de ares sagrados. Misturar sexo e religião (que, assim como a morte, são grandes tabus da sociedade) é uma fórmula mágica, velha conhecida da Dolce & Gabbana, para causar impacto e, consequentemente, vender muito.

 

A linda campanha da Fendi propõe um jogo ótico entre pintura e “real life”. Há uma ligação com a obra de Matisse (veja abaixo), que confunde o espectador quanto a onde começa e onde termina cada plano de superfície.

 

Muitos pontos chamam a atenção nessa campanha da Balenciaga. Primeiramente, o fato de a grife optar por “esconder” Gisele Bündchen já é sensacional. Funciona como um carimbo de “verdadeiro luxo”, pois aqui a mensagem é: sim, nós temos a modelo mais cara do mundo, mas ninguém precisa saber disso logo de cara. A mesma filosofia foi utilizada no desfile da coleção, em que Gisele foi a última entrada da passarela, e não a primeira, como seria de se esperar. O recado é silencioso. Na campanha, a über não está envolvida em uma mega produção; pelo contrário, o fundo de cromaqui transmite a sensação de projeto inacabado, como se a foto não tivesse passado pelo processo de edição e arte-finalização. Mais intrigante do que tudo isso é a foto ao lado: a outra metade da folha dupla é OUTRA proposta, sem a menor ligação com a primeira. Nela, impera um conceito obscuro que traz a coleção rocker para o meio da floresta, onde a mulher é atacada (ou protegida?) por um exótico personagem. A assinatura da grife aparece em um interessante origami triangular, deixando claro que a Balenciaga dá aula de contemporaneidade e encontra-se anos-luz à frente de seu tempo.

 

De essência minimalista, a Calvin Klein manteve-se fiel a sua estética, dando ênfase ao geometrismo da modelagem. Branco, uma das cores mais vistas nos desfiles, dá o tom da fotografia.

 

O que sempre chama atenção nas campanhas da Burberry é a escolha dos modelos. A estética costuma ser simples, preocupada em mostrar as roupas e o lifestyle jovem da marca. Porém, o casting é sempre top de linha, muitas vezes apostando em modelos ainda pouco publicados, mas que logo passarão a ser muito vistos por aí.

1 comentário

Arquivado em campanhas, verão 2011

Textura de vaca

Etro

Os animal prints estão sempre presentes nas temporadas de moda feminina, e há algumas estações também na masculina. Porém, a textura de vaca é ainda inédita (ou quase) nas coleções para os meninos – cenário que começa a mudar com os recentes desfiles de Milão.

Três marcas peso-pesado no quesito formação de opinião – Burberry, McQueen e Etro – apostaram na vaca para o vestuário e acessórios do Inverno 2011/12.

Alexander McQueen

Buberry Prorsum

Etro

Talvez seja o início de um movimento que veremos crescer nas próximas temporadas. Vale ficar de olho!

Deixe um comentário

Arquivado em inverno 2011/2012

Sobrevivendo às mudanças de comportamento


Manter o vínculo com o consumidor é a palavra chave para as marcas  sobreviverem às mudanças duradouras no  comportamento do comprador em uma época onde os mercados, produtos, serviços, marketing e distribuição estão em um estado de fluxo. Marketing de luxo deve também reconhecer novas oportunidades de crescimento a partir de mudanças demográficas e as dinâmicas de mercado, de acordo com um estudo realizado pelo Boston Consulting Group (BCG).

“Os consumidores continuam hesitantes em comprar bens com base em algo tão superficial como uma imagem de marca ou o desejo de mostrar”, disse consultores do BCG Jean-Marc Bellaiche, Antonella Mei-Pochtler e Dorit Hanisch em seu estudo. “A demanda terá de ser desencadeada por algo mais significativo.” Além disso, eventos especiais, promoções nas lojas, serviços pós-venda e acompanhamento de clientes, sistemas que promovem as recomendações personalizadas ajudam a manter a marca de luxo nas boas graças do consumidor.

“As empresas de luxo devem procurar estabelecer relações com os seus melhores clientes.’’
“Ofertas especiais e serviços podem ajudar a criar laços mais fortes, mas as empresas também precisam manter vendedores experientes para garantir que os seus principais clientes são reconhecidos quando passam em uma loja”, diz o estudo. Outro ponto específico que deve ser observado é para quem estarão vendendo, e manter os consumidores (principalmente as mulheres, essas que são 80% das consumidoras de luxo)  bem informados do que é novo e especial para elas.

Porém, devemos reconhecer que os conceitos são relevantes para todos os segmentos, não apenas aos de luxo.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria